A Revista Esperancanews- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperancanews

Torturado e esquartejado, ele não se chamava "Marielle" - Era só um menino de 9 anosO assassinato brutal do menino Rhuan revela o quanto a mídia é hipócrita e seletiva quando se trata de direitos humanos

Caso do menino Rhuan é abafado pela grande mídia
O assassinato brutal do menino Rhuan Maycon da Silva Castor, de apenas 9 anos, cometido por sua própria mãe e a parceira com quem mantinha uma relação homossexual, revela mais uma vez e de forma estarrecedora o quanto grupos políticos, movimentos sociais e boa parte da grande mídia tratam de forma seletiva a questão sobre direitos humanos no Brasil.O crime bárbaro ocorreu no dia 31 de maio, em Samambaia Norte, região de 
Brasília, DF. A cabeleireira Rosana Auri da Silva Candido (27) e sua namorada, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, 28 anos, deram 12 facadas em Rhuan e em seguida esquartejaram o seu corpo, colocando suas partes em duas malas para serem descartadas.
Segundo um laudo da Polícia Civil, o garoto já passava por tortura física e psicológica a pelo menos um ano. Como sinal disso, seu pênis teria sido mutilado pela mãe, que cultivou ódio contra a figura masculina e por isso teria descontado sua revolta no próprio filho, por ser homem.
Rhuan foi retirado da guarda do pai, Maycon Douglas Lima de Castro, em 2015 e de forma ilegal. “A gente postava no Facebook fotos e as pessoas indicavam onde ele estava. Tentamos salvar o Rhuan”, disse ele emocionado ao portal Metrópoles. Sem ser encontrado, o garoto passou a viver com a mãe e sua parceira, além de uma menina de 8 anos, filha de Kacyla, que presenciou a cena do crime.
Segundo a conselheira tutelar Cláudia Regina Carvalho, a menina de 8 anos que também falou sobre o que viu do crime apresentou forte rejeição ao pai, o agente penitenciário de Rio Branco (AC) Rodrigo Oliveira. Ao que tudo indica, ela foi vítima de alienação parental. Ou seja, Kacyla e Rosana influenciaram a visão da menina sobre a figura paterna.
“Ela tem a figura masculina como agressora. Se refere ao irmão [Rhuan] como primo e estava ressentida. Disse que tinham desavenças, no entanto, não mencionou agressão por parte da mãe. Pelo contrário: falava dela com um grande carinho”, disse Cláudia Regina Carvalho.

Grande mídia abafa o caso Rhuan

Chama atenção como tamanha barbaridade não ganhou destaque nas principais manchetes dos jornais em todo o país. Uma criança de 9 anos mantida em cárcere privado, mutilada, esfaqueada, decapitada e esquartejada por duas mulheres, entre elas a própria mãe, na presença de outra criança, uma menina de 8 anos. Tudo isso parece ter passado despercebido aos olhos dos grupos de direitos humanos.
Mas, por qual motivo? Por que essa barbaridade não está sendo denunciada e repudiada massivamente pela grande mídia, como foi com o caso da ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, assassinada junto com o seu motorista durante uma emboscada em 2018? Por que não vemos bandeiras, cartazes, protestos e inúmeras outras manifestações pedindo a máxima punição das assassinas do menino Rhuan?
Podemos cogitar algumas respostas. Primeiro, Rhuan era um menino morando com um casal homossexual, precisamente, duas mulheres com discurso de ódio contra a figura masculina. A divulgação desse caso estarrecedor não serve de propaganda positiva para o ativismo LGBT, muito menos para o feminismo radical, e ambos os movimentos dominam boa parte dos veículos de comunicação no Brasil.

Segundo, Rhuan era "só" um menino de 9 anos. Ele não vestia a camisa de alguns partidos que se dizem defensores dos "direitos humanos". Ele não era da "resistência" ou alguém com discurso de vitimização social. O pequeno Rhuan não pertencia a "coletivos" e não foi assassinado por "fundamentalistas". O garoto era só uma criança vítima de duas criminosas que já haviam mostrado simpatia com a política da esquerda e pregavam o ódio contra os homens.

Ruan também não era o cachorro do Carrefour

Pobreza e anonimato também não justificam a omissão do caso, como alguns podem pensar. Em novembro do ano passado um cachorro foi agredido por um segurança do supermercado Carrefour, vindo a morrer em seguida. O caso ganhou repercussão nacional. Muitos na internet substituíram fotos de perfil pela do animal e protestos foram organizados. O fato é que Rhuan não era um cachorro.
A conclusão é que quando a monstruosidade não contribui para a boa imagem da causa dos que controlam os veículos de comunicação, os coletivos, ONGs e movimentos que manipulam o discurso sobre "direitos humanos" a seu favor, ele é simplesmente ignorado ou no mínimo abafado, como foi o caso do menino Rhuan, que certamente ficaria ainda mais esquecido se não fosse o trabalho das mídias alternativas.

Por fim, todo crime deve ser denunciado e repudiado, mas o tratamento desigual entre um e outro revela muito sobre o caráter de quem o denuncia, quer de pessoas ou grupos. Talvez, se o menino Rhuan tivesse apenas "Franco" como sobrenome, quem sabe os mesmos que levaram o nome da ex-vereadora Marielle para a ONU, em busca de justiça, também mencionariam o seu caso com indignação. Quem sabe?
Share:

Nenhum comentário:

Comentarios

Postagem em destaque

Exclusivo: Sergio Moro fala sobre a pandemia COVID-19 no Brasil

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, concedeu entrevista à CNN Brasil sobre a COVID-19 na noite desta segunda-feira, dia 30. Foi a prime...

Postagens mais visitadas

WEBRADIOESPERANÇA

SE QUISER OUVIR APETE OPALY

Estatísticas do Site

Ajude-nos a manter esse site

Ajude-nos a manter esse site
Obrigado pela sua colabortação ADM GERAL DA PAGINA SUA COLABRAÇÃO E IMPORTANTE $0,50 1,00

CURTIR NOSSA PAGINA

SIGA-ME

SIGA-ME

TWITTER

TWITTER

Pesquisar este blog

Compartilhe Nossa Pagina

Eu quero levar esperança!

Eu quero levar esperança!
Clik faça sua doação so clik na imagem

Seja um seguidor

Tradutor

Postagens mais visitadas

xat

" frameborder="0" style="width: 700px; height: 400px;">

chat

Arquivo do blog

Popular Posts

SEGUIR POR E-MAIL

Globo de Visitante

visitante

chat