Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins alega que "nenhuma das testemunhas ouvidas hoje confirmou a existência de relação entre contratos da Petrobras e as supostas obras realizadas no sítio de Atibaia, que é o real objeto da ação penal. Ao contrário, indagadas pela defesa, elas afastaram qualquer relação com os contratos firmados pela petrolífera."